sábado, 2 de janeiro de 2010

Renascer.

Esse espaço existe há alguns meses, talvez tenha até um ano de vida, mas até agora foi muito mal utilizado. Quando criei esse blog, pensei que seria fácil dar um destino à ele. Estava redondamente enganado. Me prendi a regras que atualmente, não vejo razão para seguir - não queria um blog que falasse de mim ou que tocasse sempre no autor como centro de opiniões.
Curso jornalismo a pouco mais de dois anos e creio que agora posso me dar alguma liberdade criativa. No início da faculdade de jornalismo buscamos sempre acumular conhecimento, metodologia e regras para, períodos depois, percebermos que nessa profissão, uma opinião autêntica e bem redigida vale mais do que qualquer decoreba feita em cima de livros teóricos. Por incentivo de um professor de Sociologia, criei então o "Whatever Hall", cujo título é explicado no primeiro post que fiz e que pretendo preservar quando tantos outros, tentativas frustradas de engrenar como "bloqueiro", foram apagados.
Nessas tentativas, tentei abordar novelas, assuntos pertinentes à zona sul carioca e até mesmo brinquei com uma dupla-personalidade. Dessa vez, serei mais livre.
Confesso ser um leitor pobre. Não acompanho jornais impressos, revistas e me limito a ler a revista dominical do jornal O Globo (Cláudio Paiva, Martha Mederios e Xexéo são meus favoritos), vez ou outra acompanhando um blog de fofocas cáusticas sobre sub-celebridades e um outro sobre a vertente do cinema que mais me fascina desde a infância, o mercado dos filmes de terror.
Mesmo me considerando um leitor pobre, creio possuir algum talento para escrever (escolhi jornalismo por isso e não desconsidero um possível equívoco nessa crença) e transformei esse blog num projeto, sem muito compromisso, para 2010.
Usava o Fotolog como uma espécie de espaço para idéias, mas com o advento do Twitter e do Facebook, aos quais aderi (embora utilize o Facebook apenas para rir), acabei deixando-o completamente de lado.
O Twitter é ótimo, mas nos limita a 140 carácteres por post (e minha linha de raciocínio ás vezes precisa de uma página ou mais) o que acaba sempre gerando uma super lotação de publicações minhas. Gosto desse mecanismo, até por amigos me acessarem e opinarem junto comigo (coisa que não acontece aqui ainda), mas tendo um blog, por quê não utilizá-lo?
Então, sendo assim, inauguro o primeiro post de 2010 na esperança de, finalmente, dar continuidade à esse projeto. Vejamos no que vai, e se vai, dar.