terça-feira, 30 de março de 2010

Franqueza como fraqueza, antipatia por sinceridade.

- Gostou do meu texto?
- Faltou paixão nele.

Ah, o sincero. Sempre pronto a dizer o que pensa, doa a quem doer. Não esconde sua opinião e não se censura por dizer aquilo, seja para quem for. Retaliações? São para os fracos apenas. O irônico é que os sinceros são justamente os mais mal-compreendidos, sempre.
A dificuldade das pessoas em expressar com clareza aquilo que sentem, acreditam ou tem por certo complica a vida de qualquer sincero. Eles nunca estão preparados para sofrer as consequências de sua franqueza e quando, e se, estão, sempre acabam rotulados como verdadeiros chatos, ou o mais comum, os "do contra". Porque, sim, ser sincero hoje em dia é praticamente ser do contra o tempo inteiro.
Se sua opinião bate com a da maioria, parabéns, você é esclarecido e antenado com o mundo à sua volta. Se não bate, apontam-se os indicadores, miram os olhares de reprovação e, por fim, a chuva de críticas: você é um imbecil. E pode se tornar um imbecil por opiniões das mais diversas naturezas; Gosto musical, gosto pela moda, gosto pelo cinema, posição política, posição sexual... A sinceridade muito tem a ver com limites. Cada um com o seu, mas os mais confortáveis sempre integram a temida "grande massa". Ninguém gosta de quem pensa diferente, é feio ser diferente.
Em contraponto, quase todos os sinceros cometem o mesmo erro, um muito clichê por sinal: são tão espontâneos, tão claros, que tendem a levar a própria opinião como verdade absoluta. Não, não.
Existem também aqueles que adoram a qualificação de "sincero", logo, buscam sempre pensar o oposto da maioria propositalmente; Isto é: não importa se concordam com a esta maioria, negam até a morte para garantir a sinceridade. Sinceridade, apesar do quadro atual, não significa ser sempre do contra. Pode significar para os menos esclarecidos, mas o verdadeiro sincero sabe bem disso e não se deixa levar pelo status.
No final das contas, todos convivem em relativa paz. Rusgas são normais em qualquer relação humana, basta saber lidar com elas, coisa que os sinceros vem aprendendo a fazer; Fingem ser da maioria, plantam a semente da mudança e seguem como se não fosse com eles. Dogmas estão sendo derrubados, preconceitos estão caindo por terra e a sociedade finalmente demonstra sinais de evolução nos campos da tolerância e da convivência, mas lembre-se sempre: você é único por excelência, assim como todos os outros seres-humanos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário