sexta-feira, 31 de dezembro de 2010

Em 2011...




"Eu sobrevivi a 2010, me dá um desconto..."


59-1.

Alguma vez, em um passado não tão distante, usei essa mesma frase em um texto sobre final de ano; Texto esse que se perdeu em algum Fotolog deletado - tinha esse costume de deletar meu Fotolog toda vez que terminava um namoro, nisso, perdi preciosidades inestimáveis que estavam salvas apenas nos arquivos da minha página no site.
Ah, é, a frase... Acho engraçada essa sensação de conclusão trazida pela virada da 0h de 31 de Dezembro para 1º de Janeiro, como se os  últimos 59 segundos (um segundo para os tambores de suspense) do dia 31 fossem completamente diferentes do 1º segundo do dia 1º. Pior que são. Involuntariamente, eles são.
Precisamos de renovação, nosso corpo e mente pedem por isso. Por mais falsa que seja a sensação do Reveillon, de tão confortante e simpática, pelos nossos mais íntimos desejos ela se torna realidade (sobretudo se o ano que se despede não for do tipo que deixará saudades), o que impulsiona um movimento inconsciente e positivo.
Ao que me consta, material de minha constante observação silenciosa, 2010 foi um ano intenso e, por vezes, extremamente desagradável. Grandes revoluções, mudanças drásticas, nervos e sentimentos a flor da pele... Mês a mês acompanhei verdadeiras odisséias contra a energia densa que o número 2010 trouxe para os que me cercavam; Eu mesmo fui abatido por ela diversas vezes.
Nunca compreendemos o significado de uma grande mudança logo em seu primeiro movimento. Assustados, resistimos, lutamos contra, fugimos... É inevitável, acaba nos pegando por trás e nos jogando violentamente contra nossos próprios erros. Aqui se vive, aqui se faz, aqui se paga, aqui se quebra a cara... Chegar ao fundo do poço não é tão fácil quanto pensam, mas sair dele é muito mais simples do que ás vezes pode parecer.
2010 deu rasteiras em muita gente, e algumas vezes derrubou mais de uma vez as mesmas pessoas. Fui uma delas. O que poucos não conseguem encontrar é o benefício trazido por cada rasteira; Aprende-se muito com os golpes que a vida nos dá. Toda grande mudança, apesar da confusão, traz uma nova chance de começar, e nessa chance reside o impulso certo para que possamos sair da rota de colisão. Isso se chama vivência.
Minha proposta para encerrar 2010 com chave de ouro: não se esqueçam jamais do que viveram nesse último ano - e essa dica vale para cada ano que passou e ainda passará. Não liguem o foda-se por causa do espumante e dos fogos de artifício, pois o mais importante e mais valioso é o que é presente até os últimos segundos do dia 31, pois serão eles, como passado, que vão dizer como serão seus próximos 365 dias; Bola para frente, mas só se souber as regras do jogo, caso contrário, você entra no ciclo vicioso de todo perdedor: reviverá, ano após ano, os mesmos erros, até que aprenda como se joga (ás vezes quando se já é tarde demais). Chega, que 2011 venha preparado para receber sobreviventes famintos por equilíbrio.

quarta-feira, 29 de dezembro de 2010

Falei.

Alôu alôu, meus caros... Leitores? Enfim. Lembram-se dos óculos que apareceram por aqui em um dos posts do início de Dezembro? Não? Esses aqui, ó:

Ah, sim, são "oS óculoS" mesmo, no plural. É um par, já que servem a dois olhos. Muitos cometem o erro de se referir aos seus óculos no singular - motivo que sempre me faz ter um leve tremilique... Tá, tanto faz, se eu começar a dar aula de Português aqui vou acabar entrando em um terreno perigoso; Sei que escrevo bem, e reconheço meus erros mais como de digitação do que puramente gramaticais, mas ainda assim não quero arriscar um momento Pasquale Cipro Neto. Não tenho base para tanto. 
E você está pensando agora "foda-se"... Foda-se não! Seja bonzinho com o autor do blog porque o autor do blog tem uma boca cretina, o que ele fala acontece.

Prova disso? Perceba:


Falei, não falei? Ha! O quê? Não entendeu ainda? Deixe-me ilustrar melhor então, observe...


EU DISSE QUE ELES SERIAM MEUS, NÃO DISSE?


Segundo a loja, esses óculos foram muito procurados na semana que antecedeu o natal, o que acabou frustrando MUITA gente (inclusive minha mãe, que ligou secretamente atrás de um par para me presentear, mas acabou dando com os burros n'água). Depois de tanto serem procurados, eles finalmente foram parar na loja do Rio Sul ONTEM. E quem estava fazendo compras no Rio Sul ONTEM?
E são poucas peças, estão comercializando apenas os que foram utilizados no desfile da grife - na própria loja do Rio Sul só tinha um par. Ó o desfile:

Os meninos; Ai que saudades da minha franja.
E os meninos... Opa! As meninas.
Ok, já vi desfiles mais adrógenos, parei com a cena.
Pois é.

AH! Uma breve correção... Os óculos estão sendo comercializados pela British Colony, mas o design foi feito para ela pela Lunetterie e pelo Max Perelmuter.

Sem mais, BEEEIJOS.

domingo, 26 de dezembro de 2010

We're plastic...

...but we still HAVE FUN!

Porque eu e Valentina entendemos a Norma/Carolina Ferraz.

Tô numa vibe que não me permite muita criatividade, mas prometo fazer um esforço para encerrar o ano com um texto de ouro. Por hora, contentem-se com o meu biquinho.

Beijos.

sexta-feira, 24 de dezembro de 2010

Ho ho ho.


Porque eu NUNCA acreditei em Papai Noel. A primeira lembrança que tenho disso é dos meus três anos de idade, quando passei meu primeiro natal na casa do meu pai, recém separado da minha mãe.

- Guilherme, você tem que ir dormir, senão o Papai Noel não vai entregar seu presente.
- Hã?
- Ééé, ele só vem depois que as crianças estão dormindo. 
- E?
- Se elas não dormem, ele não aparece na casa delas.
- Pai, eu sei que ele não existe.
...
Silêncio constrangedor.

Isso em 1990. Tenho um flash do natal de 1989, quando ganhei minha primeira bicicleta. Lembro d'eu com meu pai, montando ela atrás de um dos sofás que há muito não habitam mais a minha casa. Era uma bicicleta roxa e amarela.
Pergunta: e eu por acaso sei andar de bicicleta? Não. Essa tinha rodinhas, mas eu rapidamente cresci e, bem, ganhei meus patins. Fui ganhar outra bicicleta quando já estava com 12 anos. Levei dois tombos, achei sem graça e nunca mais subi em uma.
E se você está pensando "coitado, nunca aprendeu a andar de bicicleta", bem, nunca levei um tombo de patins que me deixasse um esfoladinho que fosse, fazia até piruetas.

Alguns escolhem patins, outros preferem a popular bicicleta, assim como algumas crianças são impressionáveis e outras são criativas.
Não deixe ninguém dizer o que você deveria fazer ou não. Se quiser matar o Papai Noel, mate, e se preferir o improvável, não renegue. Ninguém tem o direito de querer lhe transformar em mais um na multidão.

Seja único, doa a quem doer.

Acumulo 23 natais da mais pura felicidade.

Um feliz natal para todos vocês.

quarta-feira, 22 de dezembro de 2010

Da sessão #OMFG: Genial.



Estou totally in love por esse GIF.
Porque, sério, é isso aí sem tirar nem pôr.
Hauhauhau.

Caso eu não volte aqui antes do natal, desejo a vocês uma ótima comemoração para essa data tão comercial, capitalista e errada - porque Jesus não nasceu em 25 de Dezembro, aprenda a lidar com a verdade, pois ela vai muito além dessa garrafa de Coca-Cola da sua ceia familiar.

Sem mais.

segunda-feira, 20 de dezembro de 2010

23.

Festejei tanto esse ano que estou sem voz desde ontem. E não é que correu tudo bem no meu aniversário? Nenhum #FAIL grave (o pior deles foi na sexta - decidi fazer a comemoração na boate só para duas pessoas que não pude chamar para o tradicional bolinho na minha casa irem, e nenhuma delas foi - PHILL E RAMIRES).
Dentre mortos e feridos, salvaram-se todos. E graças a Deus, eu saí bem na maioria das fotos - porque é péssimo você querer esconder as fotos do seu aniversário porque saiu HORROROSO em quase todas; Em 2009 isso aconteceu, rs.
Com meus 23 anos comemorados mais do que devidamente, por que não publicar alguma coisinha aqui? O blog é meu. Preparem-se para um pouco da minha estranha vida pessoal... Não que ela seja estranha de verdade, na verdade é até bem menos badalada que o normal de um cara da minha idade, mas, enfim... Há quem estranhe, rs.

Carol e Fernanda, na Pop Up! de sexta, lá no Teatro Odisséia.
Fernando, Emmanuel e Tato, no mesmo dia.
Meu avô (playboy), já na comemoração aqui de casa; "OI CABRA DA PESTE... FICAS MAIS VELHO E LEVA A GENTE COM VOCÊ...PÔ VÊ SE PARA COM ISSO...ATÉ QUANDO VAIS FICAR ABUSANDO? Já está entrando quase na casa dos 30 e ainda não vi a cor daquela pequena mesada que você ia me dar. Pô, assim não pode ser. Vou entrar na Justiça porque netos tem de ajudar avós... Você sabia? Isto é Lei. Em todo caso vou ficar aguardando...
Olha, mesmo assim vou pedir a DEUS que lhe dê fortunas, alegrias e muitas meninas (virgens) é claro...UM ABRAÇÃO - KIKO" - 84 anos e no Orkut. That's my family, hahaha.
I'll be there for you... Guilherme, é sério, pare de cruzar as pernas, tipo, PRA SEMPRE.
Adoro a Bidi me pegando de surpresa com ataques de fofura; Adoro a cara de "isso tem solução e se chama Rivotril" do Pedro (a quem conheço desde 1988).
A dona Rosana, pseudo-famosa aqui no blog; Minha diva.
Eu achando que precisava me esticar para caber na foto e o Emmanuel tentando comer o Tato.
Porque todo ano eu acabo sentando no colo de alguma amiga - é o instinto maternal que desperto nas mulheres, hahaha; No colinho da tia Marcela. E a Glenda (ou Julia Roberts, whatever).
Finalmente exorcizando a idade do maluco.
Olha ela me assustando de novo!
Porque somos lindos e solteiros, né Tatinho? Hauhauhau.
GIIIIIIIIIIU! Dona Bunda! A Frô da EBA.
1, 2, 3...
1, 2, 3, 4... Olha o Guto.
Porque tudo na minha vida termina, de certa forma, em pessoas montadas sobre pessoas.
#Reflitão

Essa foi a vibe do final de semana compreendido entre 17 e 19 de Dezembro de 2010. Aproveito para agradecer a todos por terem comparecido; Nunca fica claro até que ponto gosto das pessoas, mas no meu aniversário eu sempre faço um esforço para demonstrar o que não deixo sair durante todo o ano. Cada um que festejou comigo teve um motivo forte para estar ali; E o motivo é muito básico: quero perto de mim todos os que amo.
E aos que não foram, por motivos variados, justificando ou não a falta, que fique registrado: fizeram muita falta.

Sem mais.

quinta-feira, 16 de dezembro de 2010

Há um ano atrás...



...Eu estava exatamente como a Branca de Neve dessa foto.
#Reflitam

Contagem regressiva para os 23 de domingo...


quarta-feira, 15 de dezembro de 2010

Ay Maria!

Desde que meus pais descobriram ano passado, isso não é mais segredo para ninguém: sou fumante. Acontece que moro com uma ex-fumante (dona Rosana, a.k.a minha mãe), portanto, não posso fumar dentro de casa. Solução? Como a ventilação do apartamento é cruzada, fumo nas janelas; Sala ou cozinha, depende de onde vem o vento (mar ou Lagoa). 
O fato é que, em todos esses anos fumados nessas janelas, nunca vi uma cena TÃO BIZARRA; E olha que já passei por várias situações cômicas. Achei tão nonsense que corri para tirar fotos.

Meus amores, eis uma montagem singela sobre o que acontecia
na janela de um prédio que vejo da minha cozinha.

Não tá enxergando direito?
CLIQUE NA FOTO PARA AMPLIÁ-LA.

Sim, é uma doméstica. Sim, ela está em pé amarradona na fachada do prédio. O que você, caro leitor, não está conseguindo observar é que a fofa ESTAVA DANÇANDO. SIM, A MALUCA ESTAVA DANÇANDO, PENDURADA NA JANELA, ENQUANTO LIMPAVA OS VIDROS.
Apesar da distância, não é que ela conseguiu me ver? Começou a balançar os braços, dançou o créu, fez tudo para ser notada... Aí a bateria da minha câmera acabou, me fazendo perder a melhor foto da história da minha vida. 


Sim, eu sou filha da puta e consegui enxergar a cena  apesar da quadra que nos separava e de alguns metros a mais de altura (ela no equivalente ao quarto andar e eu no décimo primeiro).

Só consigo pensar nessa música:
"Un dos tres, un pasito p' adelante Maria! Un dos, tres, un pasito p' atrás!"

Sem mais.

terça-feira, 14 de dezembro de 2010

Tiro no pé.



- Em uma entrevista à rádio norte-americana CapitalFM, pouco antes de sua apresentação no Jingle Bell Ball, Kylie revelou que gostaria que Hilary Duff a incorporasse caso fizesse um filme sobre sua vida.

"Quem faria o meu papel? Não sei, mas não seria eu! Já vivi tudo uma vez, não preciso viver de novo em um filme. Me disseram que a Hilary Duff lembra a mim. Se ela conseguisse perder o sotaque americano, acho que daria certo. Ela teria que assistir vários episódios de Neighbours e Home and Away."

Mais específicamente:
http://www.kyliebrasil.com/kylie-gostaria-que-hilary-duff-a-interpretasse#comments





***

Porque, né? Taí outra que NÃO CONVENCE.

Isso:



Está para isso:
Fofolete Mode -ON-

Escalação de elenco previamente aprovada, assino embaixo.


Porque, por mais que eu critique a srta. Minogue, nada nessa Terra é pior do que curtir a Hilary Duff. Quem a conheceu na época da Disney entende bem o que estou falando. TÃÃÃO FOFA.


SEM MAIS.


sexta-feira, 10 de dezembro de 2010

Da sessão #EUQUERO: Louis Vuitton na cara.

Esqueci de comentar que encontrei os óculos do último post na Revista O Globo do último domingo, em meio a um ensaio sobre o verão de 2011 e suas tendências. Lógico que enlouqueci com todos os modelos. Lógico que decidi ir atrás de todos. Nessa jornada, percebi uma coisa importante: cansei de Armani, agora eu quero é Louis Vuitton. Motivos para eu ter pirado com o site da grife:

 Desabei de amores pelos dois últimos, mas vale comentar que esse pretinho com o símbolo na lateral é FEMININO; O masculino não estava no site, embora tenha saído na revista (é a mesma coisa, só que com lentes mais quadradas).

#EUQUERO!

Mas é lógico que eu não vivo só de óculos escuros, simpatizei com alguns acessórios aleatórios também. Sintam a riqueza:

Nem curto tanto pulseiras, mas essa é, tipos, EU.

Fatos: é bom eu tirar meu cavalinho da chuva.
Hauhauhau.

Sem mais.

quinta-feira, 9 de dezembro de 2010

Da sessão #EUQUERO: Óculos From Hell

Com isso na minha cara, pouco estaria me fudendo para os olhares desconfiados, as caras de "WTF?", a opinião do meu pai, o que pensariam meus amigos...
EU QUERO ESSES ÓCULOS!
E É UM "EU QUERO" A LA VERUCA SALT* 

*(Google it, loser)!


Lunetterie para British Colony, R$ 298,00.

Nem é porque sou fã da Lady Gaga e isso aí em cima lembra bastante alguns modelos que ela andou usando. Os óculos que comprei em Orlando ano passado são a prova disso - nem conhecia a Gaguinha e já curtia colocar uma televisão na cara. Amarela ainda por cima.

Fica a dica para quem me ama: dia 19, Domingo da próxima semana, é meu aniversário. Juntem a galerë, façam uma vaca (porque detesto diminutivos) e pronto, deixem o amigo mais lindo de vocês ficar com um sorriso de orelha a orelha por, pelo menos, um mês.

Tá, eu sei. Deixa que eu mesmo compro.
Porque nem que eu tenha que ir até o inferno, esses óculos irão SIM para o meu acervo pessoal.
Exagero, a Lunetterie é nativa de Ipanema e tem uma British Colony a uma quadra e meia daqui.
Doa a quem doer.


quarta-feira, 8 de dezembro de 2010

Já fui Melina.

Desde que "Passione" entrou no ar, meses atrás, sinto vontade de escrever alguma coisa sobre a personagem de Mayana Moura (LINDA); Sou apaixonado pela insana Melina, a estilista mimada e desequilibrada da atual novela das 21h da Rede Globo.

Peraí, essa paixão tem explicação.



Melina, baby, eu super te entendo.

Usei esse penteadinho Playmobil em 2009.

No Facebook, fiz um teste para ver qual personagem da novela mais se assemelha a mim. Não deu outra.

JURA QUE ME DEIXAVAM SAIR NA RUA COM ESSE CABELO ESCROTO?

Contagem regressiva para o meu aniversário (19/12); Constatando que a cada ano que passa, um pouco mais de bom senso eu crio.

sexta-feira, 3 de dezembro de 2010

Os seis passos em direção a solidão.

De nenhum me arrependo, de todos trago marcas. Boas cicatrizes que servem como lembranças de filmes que vivi; Tenho vida de cinema.
No primeiro, o que era de se esperar. Algazarra, risadas, pouca seriedade e alguma competição. Como me irritou... Como me estressou... Cheguei a ter tremiliques histéricos em algumas ocasiões. Unidos por um filme, separados pela idade mental e pela imaturidade. No final, o reencontro pacífico e cômico, irônico e libertador. De você eu sinto saudades.
No segundo, muitas reviravoltas. Duas idas, duas vindas, muitas broncas, comparações, madrugadas bêbadas, suor de boate e uma bailarina atropelada. Pouco tempo de união para muitas experiências. Saudades? Creio que não, mas sinto um carinho sarcástico; Gosto de saber que está hoje em dia como previ que estaria, anos atrás. Maldade minha? Não. Fui lúcido apenas, e gosto disso.
No terceiro, quanta enganação. Viagens insólitas, velhinha vidente na muralha da China e um Zé Pilintra que precisei expulsar de casa posteriormente. Me deixou o vício do cigarro, a descrença nas boas intenções de pessoas mais velhas e alguns bibelôs perdidos entre meus pertences. De você, sinto apenas medo.
O infernal quarto passo. Uma batalha que levou pouco mais de um ano da minha vida; Um ano que vivi intensamente. Um ano que foi praticamente perdido. Não digo que não me ensinou muito, o considero o  melhor professor que tive, mas conseguiu destruir a admiração e devoção que lhe prestei; Mostrou-se vazio. Bastou um breve contato, anos após o holocausto, para que eu percebesse o quão merda você é. Esperto? Muito. Safo? Ô. Forte? Não. Seria incapaz de lidar com as consequências de seus atos, caso descobrissem sua verdadeira face. Não passa de uma farsa muito bem montada e, curiosamente, acabou se tornando o que justamente mais criticava; Um sanduíchão de ovo.
O quinto passo: a estrada de ovos. O mais longo de todos, deveria ser o mais belo, a pessoa que deveria estar cravada para sempre no meu coração. Quando mais precisei de ti, houve a enorme decepção. O grande ser-humano que pensei conhecer se mostrou mesquinho, incoerente e malvado. Morde e assopra, lança o veneno em meio a risadas e a uma simpatia forçada. No final, o viadinho de cristal te deu uma bela rasteira ao se mostrar forte, seguro e dono do próprio nariz. Bem feito.
O sexto e último - até então. De uma compreensão divina, envolvente e inebriante. O toque, o beijo, o gosto, o suor do sexo; Encatador, frágil, dócil, sofrido, acidentado; Fez grandes promessas e pouco construiu. No final, foi o pedaço de carne que eu precisava para saciar minha fome após tanto tempo sem comer o prato que mais me agrada. Posso não ter percebido isso em um primeiro momento, posso até ter sofrido e não nego o incômodo de sua lembrança; Ego ferido. Apesar de tudo, pelo menos eu gozei.
Nunca foi tão bom estar sozinho. Nunca houve melhor companhia para mim do que eu mesmo. Quando a caminhada vai recomeçar e quando será o próximo passo? Não faço a menor idéia. Sei que, depois de tantas revoluções russas, lágrimas e frustrações, se Lúcifer me pedisse em casamento, eu aceitaria; Estou mais do que preparado para a guerra. Foram os seis passos mais bem dados de toda a minha vida.


quinta-feira, 2 de dezembro de 2010

Sádico.



Ô homem sádico, puta merda! Tudo bem que no final o menino conheceu a droga do Raça Negra, cantou com eles e tal, mas, porra, quatro aninhos e chorando no palco, sabe?*
Só não sei o que é pior: preferir o Raça Negra ou preferir o Silvio Santos? É tipo "cancêr ou AIDS?"

*Como se eu tivesse pena de criança. Quem lê até se convence, hahá.

OBS: encontrei o video por meio de outro blog e mesmo que o video não seja material exclusivo dele, custa nada creditar (até porque o Te Dou Um Dado? formou meu caráter, o acompanho desde 2008). Aqui o post onde está o video: http://entretenimento.r7.com/blogs/te-dou-um-dado/2010/12/02/patz/

quarta-feira, 1 de dezembro de 2010

Reciclagem ilustrativa.

Tive uma idéia: vou fazer a Kylie Minogue e repetir o tema de ontem no post de hoje. Por que não ilustrar o que pensei assim que terminei de ver o clipe de Better Than Today? Uma imagem ás vezes expressa melhor um sentimento do que mil palavras escritas.
Mas qual imagem poderia ilustrar bem o sentimento que me tomou a alma ao ver essa porcaria de clipe?

JÁ SEI!
                              
Chupa aqui.
"
Erotica", álbum da Madonna de 1992. 

Sem mais.

Better Than Today.

Finalmente me dignei a assistir (com toda a calma do mundo) ao último clipe lançado pela diaba-fofolete que tanto amo criticar; Kylie Minogue, vem cá, senta no colinho do tio e se prepara pro "ai ai ai".
"Better Than Today" não é nem de longe uma das melhores músicas de seu último CD ("Aphrodite"), mas quando fiquei sabendo que se tornaria clipe, criei esperanças - sou do tipo que acredita sempre no improvável - e rachei minha cara. 

Para fazer um serviço mais completo (e prazeroso), vou falar também dos dois últimos clipes antes deste.

"All The Lovers" é, sem sombra de dúvida, um dos melhores clipes da carreira dessa mulher. Ela conseguiu aliar uma idéia simples a toda sensibilidade que a música traz em sua letra, contornando tudo que poderia tornar o clipe em um exemplo de mau gosto (ainda que a idéia da pirâmide humana me incomode - sempre viajo na maionese pensando em como estarão os "amantes" que ficaram no meio da base daquela porra toda). 
"Get Outta My Way" quase deu certo; A música é excelente, mas ganhou um clipe que não lhe fez jus. Ficou um mix de "Slow" (do álbum "Body Language", de 2003) com a vibe da X Tour (2008), uma reciclagem de caras e bocas e uma fantasia vermelha horrorosa com uma super capa que mais parecia um lençol gigante. Deu para engolir (a gama de cores do clipe é muito agradável), mas decepcionou.

Aí a fofa escolhe uma música sem muita graça, mas com algum charme perdido entre um refrão e outro, e decide transformar em single. Até aí, tudo bem, nada contra. A idéia do clipe é até bacaninha na essência, mas o resultado final ficou MUITO ruim.
Essa história de clipe com cara de apresentação em programa noturno de televisão, além de manjada, só serve para quem está começando a carreira (e mesmo assim com certas ressalvas). Mais uma vez, ela fez uma reciclagem de tudo que já fez, misturou e gravou. Resultado: um background coloridinho super X Tour, mais caras e bocas, pernas (e outras curvas) de fora (porque ela precisa sempre ressaltar como está gostosa) e uma meia dúzia de efeitos muito legais super mal aproveitados.

Sei que o diferencial dela é justamente não sair muito do que sempre produziu, já percebi que rola toda uma tradição em torno de certas coisas; Ser levantada pelos dançarinos enquanto faz espacate, clipes de fundo preto com cores e iluminações em neon, figurinos esvoaçantes aliados a figurinos mais justos, uma predileção por penas carnavalescas e palcos em formato de bolo, enfim, tudo isso traz a assinatura dela, é como uma identidade. 
Porém, chega uma hora que a coisa cansa, torna-se repetitiva, previsível, clichê... Não tem nem quatro meses que conheci seu trabalho e já me deparei com as mesmas cenas em alguns anos de sua carreira. Kylie, CHEGA, JÁ DEU, SE MEXE, INVENTA, CRIA. Não é à toa que falo que você não convence ninguém.
Em 2011 ela vai entrar em turnê de novo e pelo nome já imagino que muita coisa vai se repetir; Aphrodite: Les Folies Tour com certeza vai ter projeções com a vibe da X Tour (porque ela super se apaixonou por esse estilo) e um belo de um figurino com a cara de Showgirl Tour (de 2005).
Sei que os fãs dela se amarram nisso tudo e estão ansiosos por essa turnê. Por isso que não me considero fã. Apesar de todo esse amor e ódio que sinto por ela, me recuso a ser fã de algo que não me intriga e nem me surpreende.

Não convence.