sexta-feira, 24 de dezembro de 2010

Ho ho ho.


Porque eu NUNCA acreditei em Papai Noel. A primeira lembrança que tenho disso é dos meus três anos de idade, quando passei meu primeiro natal na casa do meu pai, recém separado da minha mãe.

- Guilherme, você tem que ir dormir, senão o Papai Noel não vai entregar seu presente.
- Hã?
- Ééé, ele só vem depois que as crianças estão dormindo. 
- E?
- Se elas não dormem, ele não aparece na casa delas.
- Pai, eu sei que ele não existe.
...
Silêncio constrangedor.

Isso em 1990. Tenho um flash do natal de 1989, quando ganhei minha primeira bicicleta. Lembro d'eu com meu pai, montando ela atrás de um dos sofás que há muito não habitam mais a minha casa. Era uma bicicleta roxa e amarela.
Pergunta: e eu por acaso sei andar de bicicleta? Não. Essa tinha rodinhas, mas eu rapidamente cresci e, bem, ganhei meus patins. Fui ganhar outra bicicleta quando já estava com 12 anos. Levei dois tombos, achei sem graça e nunca mais subi em uma.
E se você está pensando "coitado, nunca aprendeu a andar de bicicleta", bem, nunca levei um tombo de patins que me deixasse um esfoladinho que fosse, fazia até piruetas.

Alguns escolhem patins, outros preferem a popular bicicleta, assim como algumas crianças são impressionáveis e outras são criativas.
Não deixe ninguém dizer o que você deveria fazer ou não. Se quiser matar o Papai Noel, mate, e se preferir o improvável, não renegue. Ninguém tem o direito de querer lhe transformar em mais um na multidão.

Seja único, doa a quem doer.

Acumulo 23 natais da mais pura felicidade.

Um feliz natal para todos vocês.

Um comentário:

  1. Feliiiiiiii Nataaaaaaaaaal! e vamos ver filminhos felizes dublados na Globo! XD shiuahoishiuahs

    ResponderExcluir