quarta-feira, 14 de setembro de 2011

Pretensões.

O pseudo-futuro-jornalista que vos fala sabe que já escreveu em alguns textos sobre sua falta de pretensão para com este blog. Pois ele mentiu, e cá estou para desmenti-lo. Sou cheio de pretensões, principalmente com isso aqui. Não que eu espere que o Whatever Hall de alguma forma me lance como escritor - seria muita ingenuidade; eu espero, de verdade. Claro que, mantendo os pés no chão, por enquanto ele funciona apenas para mim; me sinto genial quando releio algum texto mais intenso ou um poema mais visceral (não tem palavra mais arrogante do que essa), fico cheio de mim e me sinto superior - talvez seja por isso que não me abro para outros tipos de leitura; vou lá querer saber de outros mais talentosos do que eu? Por enquanto estou feliz com a minha ilusão, me deixem.
Porém, já alertei algumas vezes também sobre o perigo das ilusões. Pago um preço alto por tê-las escolhido, e tenho plena consciência de que não as poderei manter para sempre; um dia eu acordo desse meu sonho de eterna juventude, onde o tempo não passa e as responsabilidades não chegam. E você, escolheu ilusões ou fez das suas pretensões fatos consumados? Adoro questionar o leitor, coisa que você só deve estar percebendo agora; infelizmente, dentro da minha fantasia, assim como no mundo real, não tenho nenhum leitor fixo - pois se tenho, por favor, manifeste-se e deixe meu ego ainda mais inflado.
Conheço pessoas talentosíssimas, ávidas por colocar em prática cada uma de suas pretensões; querem uma carreira de sucesso, querem deixar sua marca no tempo e, sobretudo, querem provar ao próprio eu que podem realizar qualquer sonho. Pessoas que não tem o tempo à favor, constroem o futuro no agora.
Conheço também pessoas que, assim como eu, ficam sempre no futuro. Ainda vão chegar a algum lugar, um dia, quem sabe, terão uma carreira, constituirão um tipo sortido de família ou, na pior das hipóteses, vão garantir seu câncer de pulmão dentro de uma jacuzzi regada a álcool de primeira - na minha, Coca-Cola Zero, por favor. Pessoas que vivem no futuro de um presente inercio, ás vezes até apegados ao passado.
Pretensões para lá, pretensões para cá, poucas conclusões, nenhuma razão, nenhum novo projeto... Pronto, esse texto ficou bom o suficiente para que eu me sinta genial por pelo menos mais 48h. Quando eu precisar de mais, tenham certeza que voltarei aqui para garantir mais um pouquinho da minha dose necessária de pretensões.





3 comentários:

  1. Gui,

    Mamãe te ama viu!

    beijo

    ResponderExcluir
  2. Brinks, mas achei que vc ia fazer uma cara funny com o comentario ... anyway já que vc perguntou acho que eue escolhi tanto ilusões como fatos (só não aprendi como levar tudo isso junto). That's it. Btw tããão bonitinho vc usar a clefable que eu te mandei!!

    beijão

    ResponderExcluir
  3. Pela Clefable, agora eu sei quem comentou. Hauhauhau; ela encerra todas as minhas publicações de textos pessoais.

    ResponderExcluir